Page 2 of 2

Re: Tempestade Cerebral 2.0

Posted: 15 Nov 2016 14:59
by pco69
Não de livros portugueses, mas de BD editada em Portugal
Apenas como exemplo de um trabalho que eu considero bem feito e que poderá servir como exemplo para o que é referido neste tópico

http://pt.calameo.com/read/000687051bbed157068a1

Re: Tempestade Cerebral 2.0

Posted: 15 Nov 2016 15:23
by vampiregrave
Conheço alguns catálogos semelhantes para publicações amadoras (revistas, fanzines, ezines, etc.), ou para literatura de género. O espírito da ideia é o mesmo, mas a execução é um pouco diferente. No nosso caso temos a vantagem de proporcionar uma ligação para as obras, permitindo ao leitor o acesso imediato às mesmas.

Trata-se, no entanto, de um trabalho moroso: é preciso coligir fontes, adicionar cada livro à base de dados, assegurar coerência nas designações adoptadas, verificar a integridade das hiperligações, etc.

Re: Tempestade Cerebral 2.0

Posted: 19 Nov 2016 12:35
by Bugman
Algumas impressões tardias:

-ADAPTAÇÕES: concordo com a secção, mas também com as limitações. Uma forma de ultrapassar isso seria falar de adaptações em geral, dessa forma podia-se alternar uma texto-filme, texto-bd, bd-filme, etc. A base cinéfila há uns tempos era forte, mas entre os 4/5 que ainda cá vêm parece bem mais restrita. O artigo seria em que tom?

Nos periódicos não vejo o interesse imediato, mas se uma hemeroteca quisesse "ajuda" na digitalização do catálogo...

Publicidade, sem entrar em isco de cliques, parece ser o passo limitante mesmo. De que valores estaríamos a falar?

No catálogo de obras digitais estamos a excluir-nos?

Re: Tempestade Cerebral 2.0

Posted: 19 Nov 2016 19:13
by vampiregrave
Bugman wrote:-ADAPTAÇÕES: concordo com a secção, mas também com as limitações. Uma forma de ultrapassar isso seria falar de adaptações em geral, dessa forma podia-se alternar uma texto-filme, texto-bd, bd-filme, etc. A base cinéfila há uns tempos era forte, mas entre os 4/5 que ainda cá vêm parece bem mais restrita. O artigo seria em que tom?


Neste aspecto não tenho nada definido, mas gostaria de um tom um pouco mais descontraído do que o dos artigos académicos, e não muito extensos.

Bugman wrote:Nos periódicos não vejo o interesse imediato, mas se uma hemeroteca quisesse "ajuda" na digitalização do catálogo...


Acho que a hemeroteca portuguesa se tem safado bem. :tu:

Bugman wrote:Publicidade, sem entrar em isco de cliques, parece ser o passo limitante mesmo. De que valores estaríamos a falar?


Nunca gastei mais de 15-20 euros em publicidade, especialmente depois de verificar que o retorno normalmente fica aquém das expectativas e, se não houver um investimento continuado, o impacto é residual.

Bugman wrote:No catálogo de obras digitais estamos a excluir-nos?


Não, vou também incluir as nossas edições, muito embora estas possam ser facilmente encontradas no nosso website. Já encontrei algumas dificuldades, em especial devido à organização (ou falta de) de certos repositórios digitais, mas isso discutiremos num post futuro, quando já tiver uma quantidade considerável para vos apresentar.

Re: Tempestade Cerebral 2.0

Posted: 30 Nov 2016 20:50
by MAGG
A idéia de catalogar obras digitais no Adamastor parece-me bastante boa visto que a página do catálogo é bastante mais user friendly e apelativa do que as outras bases que pululam por essa net fora.

Re: Tempestade Cerebral 2.0

Posted: 01 Dec 2016 00:21
by vampiregrave
Assim que tiver uma quantidade considerável de títulos (digamos, 2-3 mil), partilho novamente a página para darem uma vista de olhos. A ideia é mesmo centralizar a informação e facilitar a pesquisa.